sexta-feira, 4 de abril de 2008

Soldado imaginário

Minha cabeça dói e meus olhos pesam.
Eu abaixaria a guarda se minha vida não dependesse de me manter atento.
Já é tarde, e eu estou cansado.
A noite não é escura, mesmo assim é acolhedora, num desejo de sono profundo.
Não posso dormir, não posso.
Eu simplesmente não posso.
Mas eu quero tanto...
O grande, famoso e velho dilema entre o querer e o poder...
Nunca o tinha vivenciado de maneira tão dolorosa.
Eu vou acabar cedendo, tenho quase certeza.
Vou dormir!
Vou dormir e sonhar com extensos pastos verdes englobados por um um céu azul e limpo, e iluminado pelo mais lindo dos sóis; com meus pais e meu irmão me recebendo em minha casa para um caloroso encontro familiar; com minha amada me abraçando e sussurrando em meu ouvido um sincero "eu te amo".
Mas, enquanto eu resistir e não dormir, só me restará apreciar a noite e a paisagem já comum aos meus olhos; e procurar um ou mais motivos para não dormir e não sonhar.

Porquê a verdade é que não existe nenhum.




[solitude_]

2 comentários:

404 Not Found disse...

as vezes sonhar não é bom... é tão ilusorio que quando acabava dá tristeza

Dili Nharez disse...

Cara, o texto tá bom nas idéias, mas tu poderias ter trabalhado um tanto mais a estrutura. "Eu vou fazer",por exemplo, soa mais bonito quando é dito simplesmente "farei". Existem outras conjunções adversativas além do "mas", porém, contudo, entretanto, todavia, tu insistes em usar apenas o "mas" nesse texto.