quinta-feira, 1 de janeiro de 2009

Arroz

Filha da terra, olhos cor-de-mel
Cabelos de seda, espelho da perfeição.
Arrebata cada pedaço do meu coração
Ascendendo-me às alturas, ao céu.

Estar contigo desperta minha alma
Deixando-me no corpo inteiro
As marcas do teu doce cheiro
Que em todo momento dão-me calma.

Minhas defesas já foram batidas,
Todas minhas esperanças, perdidas.
Aguardo-te cheio de lágrimas a verter,

Molhando a rosa, a esconder
O prazer inexprimível da paixão
A miséria desgraçada da ilusão.

2 comentários:

Paulo César di Linharez disse...

Eu gostei da arroz e acho que ela merece um texto melhor

aahah

Carol D. disse...

Quão romântico a expressão de uma paixão.