sábado, 22 de agosto de 2009

le tour amante

quebrar o relógio
não atrasaria
a tua ida.
o tempo existe
e corre
e nós em sua esteira:
migalhas de pão
velho
no chão
pra pombo de praça
comer.

a morte se mostra
em facetas.
teu ir é um
contínuo
e incessante
morrer.

a manhã acorda
triste.
na janela
chovem
suas lágrimas.
sente ela
a dor
que eu sinto?

coloridas
as nuvens do teu
funeral
me abraçam.
na ponta
da língua
uma esperança
com o gosto
do teu beijo.

2 comentários:

Mellina disse...

"teu ir é um
contínuo
e incessante
morrer"

e ponto

Gabie disse...

Não, esses pontos não existem.