sexta-feira, 24 de abril de 2009

Pedra

Há um buraco em meu peito
E lágrimas em meus olhos
Tristes, saudosos do teu leito:
Doce cárcere de vida e de morte
Onde o desejo é mais que forte,
Onde a dor não inflama o corte.

Lembranças rubras da paixão
Com a qual me deleitei
Em tua cama - oceano d’ilusão -,
Andam a povoar-me a mente
Como o temor daquele que sente
Que ama um coração dormente.

2 comentários:

Elis A. Martins disse...

Que lindo! Lembrei-me dos autores românticos. Continue nesse "estilo"! Parabéns!

;*

http://entreossilencios.blogspot.com/

Diessika disse...

Profundo.
Pra falar a verdade chegou a doer em uma ferida minha não cicatrizada.